Introdução


Sabemos que o futebol é constituído de quatro momentos; o primeiro é quando a equipe está com a posse da bola e atacando; o segundo é quando a equipe está atacando e perde a posse da bola; o terceiro é quando a equipe está defendendo e conseguiu o seu principal objetivo, obtive a posse da bola; o quatro é quando a equipe está defendendo e objetiva-se a tal posse, assim; dentro desta dinâmica no campo de jogo, alguns dizem que o futebol ficou mais rápido, com menos espaços, outros afirmam que ele futebol está mais complexo, muito mais inteligente, e, portanto exigem mais do  atleta  quanto  à  assimilação  e  a  aceitação  dos  processos  ofensivos:   ( transições defesa / ataque ) e defensivos: ( transições ataque / defesa )  onde estes processos interagem diretamente no campo de jogo,  portanto; o processo da planificação dos treinamentos tem que se igualarem as exigências estratégicas da dinâmica do jogo; o atleta deve saber da sua importância no sistema tático; já, o técnico deve transmitir a sua idéia de forma sólida e clara sobre as transições e tudo mais, no futebol campeão esta expectativa de vitória é com certeza incerta, podemos afirmar que futebol é feito de resultado, não de intenções, então; ratifico a tese de Amieiro (  2005 )  - “  Treinar é fabricar o que se pretende “.  



Jogo

˝    O risco vem da falta de compreensão sobre aquilo que você está fazendo .  ˝Warren Buffet


Jogo que tem como principal característica à busca constante por superioridade numérica e com seus espaços reduzidíssimos dentro das quatro linhas trás momentos e princípios; destes momentos, limites regulares e inquestionáveis, uma bola e a organização ofensiva, transição defensiva, organização defensiva e a transição ofensiva, onde cada atleta objetiva atingir à vitória e sua equipe com o seu respectivo modelo de jogo e princípios também propõem uma perspectiva de atacar e defender com eficiência, desejo incondicional de seu técnico.



Princípios


Em seus princípios defensivos constituído de contenção, cobertura defensiva, flutuação, equilíbrio e concentração, condicionam em suas ações no jogo na maioria das vezes a ausência da posse de bola, mesmo assim, objetiva-se a essência deste esporte, o gol; já, nos princípios ofensivos constituído de penetração / progressão, apoio / cobertura defensiva, mobilidade / espaço, amplitude / profundidade e capacidade de improvisação, a bola exerce fascínio da maior relevância, onde que em seu primeiro princípio ofensivo: penetração / progressão, tem como desejo à criação da vantagem espacial e numérica, assim; atacando diretamente o adversário e a meta.



Realidade

˝    Não existem treinadores jovens ou velhos, há é treinadores bons e maus.  ˝ José Mourinho


Esporte onde “ mais se acha do que se compreende; mais se acredita do que se comprova “ , possui sua forma atraente de disputa, em seu campo de jogo têm na pessoa do técnico a responsabilidade da organização da equipe e a definição da metodologia na planificação dos treinamentos, preconizando o sucesso ou o fracasso da equipe, bem como de seus atletas.



Sistema Tático


˝    O modelo de jogo não é somente a tática usada pelo treinador, mas sim um conjunto de ações, pensamentos e princípios seguidos pela equipe.  ˝                                Leandro Zago       


Dentre as várias tendências e definições com características cíclicas o sistema tático de uma equipe no futebol por si só não resolve todos os contratempos que surgirão no transcorrer de toda a competição e/ou temporada; observe que na copa do mundo de 2010 na África do Sul, várias equipes principalmente as africanas utilizavam a compactação ( maior numero de atletas mais próximos da bola ) como ferramenta para efetuar as duas linhas de quatro, explorando assim os contragolpes; já, no período pós copa do mundo de 2010, mais equipes do futebol mundial passaram a usar o sistema ( 4x2x3x1 ),  sistema de cinco linhas defensivas, incluindo a do goleiro; este, tem com característica principal também a facilidade para efetuar a compactação bem como a execução do primeiro principio ofensivo a penetração / progressão; mas, perde em demasia quando falamos de espaços laterais, ou seja; quanto mais linhas defensivas você possui em um determinado sistema tático, menos facilidade você possui para neutralizar os espaços laterais em seu campo de jogo.

Quando falamos de sistema, o mais importante é você perceber que a organização de um sistema é reproduzida pelo conjunto de diretrizes de uma equipe, preconizada pelo seu técnico, possuindo determinantes pré-estabelecidas com distribuições adequadas e equilibradas; veja só o que diz Garganta & Cunha e Silva ( 2000 ) “ O sistema sem organização é tão redutor como a organização sem sistema; assim um sistema sem organização resulta numa agregação aleatória de acontecimentos sobre os quais os jogadores e treinador tem maiores dificuldades em interagir.  “.

 

 

Organização

 

˝    Ninguém tem necessidade daquilo que desconhece.  ˝Vitor Frade

 

Na organização da equipe em seu campo de jogo, possui a tática e o sistema como diretrizes para beneficiar as características dos atletas; dentre seus vários sistemas diversas tendências e definições, usa como ferramenta a compactação ( maior numero de atletas mais próximo da bola ); esporte que as ações ofensivas determinam as ações defensivas e onde quem tem medo de jogar, não ganha; quem não gosta de marcar, apanha; aposta concreta na importância do competir, somente para quem nunca ganhou; não tendo como condição visceral as intenções e sim o resultado, muito prazer, eu me chamo Futebol.



Futebol  - Pagina 03

 

 

 

 

 

Êxito ou Fracasso

 

˝    Conseguir êxito não anula a existência de fracasso; assim com o fracasso não impede êxitos futuros.  ˝ 

 

Fatores que favorecem o êxito de uma equipe.

 

I              Estabelecimento das regras de atuação.
II             Respeito às regras estabelecidas.
III            Comprometimento conjunto.

 

Fatores que favorecem o fracasso de uma equipe.

 

I              Desrespeito às regras estabelecidas
II             Conjugação do verbo no singular - ( EU ).
III            Elogios falsos
IV           Irmandade Demasiada.

 

Origem do Futebol

 

Praticado por centenas de países e despertando interesse nas multidões, seu dia é comemorado em 19 de julho; constituído de “ toques rápidos e precisos com ocupação de espaços de forma inteligente, principalmente no ataque “ é originado na China Antiga por volta de 3.000 AC.; como esporte moderno foi criado na Inglaterra do século XIX e seu profissionalismo foi iniciado somente em 1885; já, em 1886 surge a criação da Internacional Board na Inglaterra; em 1894, chega ao Brasil trazido por Charles Miller e no ano de 1904 é criada a FIFA - Federação Internacional de Futebol Association.

 

 

 

 

 

 

Transição, intuição e a percepção no futebol.

 

˝    Com talento ganhamos partidas, com trabalho de equipe e inteligência ganhamos campeonato . Michael Jordan

 

Sabemos que todo técnico de futebol possui como diretriz a busca contínua em atacar e defender com eficiência, e dentro deste contexto tem que se compreender que no campo de jogo duas de suas características, a velocidade e o poder de marcação devem ser mais bem aproveitadas; é daí que se faz necessário observar um dos fatores mais abrangente no atual momento do futebol; as transições das jogadas.

Também é de nosso conhecimento que nos setores do campo de futebol, fuga da marcação ou de ultrapassagem, raciocínio ou criatividade e cruzamentos, onde se desenvolvem a dinâmica do jogo, tais transições podem ser ofensivas como defensivas; até aí nada que se conclua fora do cotidiano, o que se deve levar em conta é a capacidade que uma equipe tem em dificultar as ações defensivas da equipe adversária no momento em que ela está atacando; ou seja, reduzir o tempo de fazer a transição entre o ganhar a bola e atacar ou em situação inversa do jogo, perde a bola e defender.
No desenvolver destas transições aparece um componente de vital importância dentro da efetivação das transições, o volante, que atua no setor que denominamos de criatividade ou raciocínio, independentemente dos sistemas táticos adotado pelas equipes envolvidas neste campo de jogo; sabemos também que a compactação, maior números de atletas mais próximos da bola é de grande valia para neutralizar as determinantes ofensivas da equipe adversária, mas isto não é tudo; observe o que preconiza Valdano (  ˝  As equipes devem saber atacar e defender; algumas sabem algo mais: fazer transições. ˝  ).

Concluímos então; o tempo gasto no momento das transições das jogadas no campo de jogo é o que caracteriza se esta equipe é difícil ou não de ser enfrentada; assim as transições das jogadas tem a sua relevância; façamos a nossa parte; nos treinamentos, apesar de apresentar características bem definidas, devemos ter como preocupação a necessidade em conceituar alguns pontos que possuem certas semelhanças e que não podemos confundir.


Não fingindo deste contexto, no campo de jogo um dos caminhos para se alcançar um bom desempenho coletivo é o sistema tático; ele por si só não resolve todos os contratempos que surgirão no decorrer da disputa, devemos ter consciência que, entre o êxito e o amargo da derrota existe somente uma linha tênue; a imprevisibilidade tem a sua supremacia juntamente com a intuição e a percepção do atleta talentoso; para se ter uma idéia, preste a atenção na conceituação do atleta talentoso, segundo Tostão, ex-jogador de futebol e colunista do Jornal Folha de São Paulo em seu artigo do dia 28.09.2003 - Pág. D 9.  (  ˝  Talento é a soma de qualidades, como habilidade, técnica, criatividade, capacidade de se adaptar ao conjunto e de superar obstáculos, ter consciência profissional, equilibro emocional, determinação e disciplina. O grande talento não aparece craque, é craque ˝   ).

Sabemos que independentemente do sistema tático adotado na disputa, seja ele, 4x3x3, 4x2x3x1 ou 4x4x2 em duas linhas de quatro ou não; são as ações ofensivas que determinam as ações defensivas, não o inverso, portanto priorizar as características individuais do atleta ao sistema a ser adotado é a verdadeira dimensão da tática e a sua perfeita utilidade para servir a capacidade de decisão dos atletas e da equipe.
Por isso, além dos aspectos ofensivos que devem restringir-se aos aspectos defensivos do atleta ou da equipe, mas atender, sobretudo as imposições da sua adaptação às situações impostas no campo de jogo, o tipo de organização ofensiva que pretende utilizar e a forma como se realizam as transições defensivas, são fatores que influenciam diretamente neste contexto permitindo a ele atleta o melhor ou o pior funcionamento desse sistema; portanto, pode dizer-se que a aceitação dos atletas nestas transições ou mesmo no sistema a ser adotado no campo de jogo são elementos fundamentais nas conquistas que surgirão á frente; nota-se a preocupação de Vitor Frade ( 2002 ) com o tempo no sentido de duração do momento transitório no campo de jogo, o atleta deve aplicar uma resposta que seja baseada nos mesmos referenciais que o restante da sua equipe e isso só acontecerá se os componentes desta equipe vivenciam e potencializam o sentido tático coletivo.

Greco conceitua que o sentido de formação tática é a capacidade de abstração em relação ao problema apresentado, possuindo o conhecimento tático e prático da tática e das possíveis variações dela em sua equipe e na equipe adversária, já Orlando Duarte, jornalista e comentarista esportivo, conceitua que futebol consiste em toques rápidos e precisos com ocupação de espaços de forma inteligente; e também sabemos que intuição é o ato de ver, perceber, discernir, percepção clara e imediata, pressentimento; assim é possível estabelecer uma contribuição e pensar em como ser capaz de aproveitar conscientemente estes fatores do jogo; observe o que diz Vitor Frade ( 2002 ) - (  ˝  Não há nada mais construído que o jogar. O jogar não é um fenônemo natural, mas construído ˝ . ), ou seja; se o jogo vai sendo construído, temos a possibilidade de preparar nossa equipe durante o processo de treinamento de forma concisa e sólida; mas não devemos ˝ decorar os passos e sim aprender o caminho ˝  como preconiza Klaus Vianna.
Devemos construir uma forma de jogar que seja condizente com as necessidades de se ganhar o jogo, passando pelo processo de treinamento que atendam os momentos das transições e as exigências do campo de jogo de forma integrada e coletiva dentro do modelo da disputa e a sistematização tática a ser adotada. Como falamos anteriormente; devemos conceituar alguns pontos apesar de apresentar características bem definidas, pois a tática e o sistema possuem certas semelhanças e não podemos confundir; “ tática é ação planejada de uma equipe, com o objetivo de tirar vantagens das situações favoráveis do jogo para neutralizar o adversário e atingir assim a vitória ” ;  ˝  sistema é a forma de atuação de uma equipe, com distribuições adequadas e equilibradas com determinantes preestabelecidas ˝ ; para a definição de ambos devemos observar alguns fatores que possuem grande relevância; na tática devemos observar o setor de menor potencial da equipe adversária, o setor de maior potencial de sua equipe, o setor de menor potencial físico da equipe adversária e o setor de maior potencial físico de sua equipe; já no sistema devemos observar a condição técnica de sua equipe, a circunstâncias do jogo e o adversário.

 

 

Treinamentos

 

 ˝    Comece a fazer o necessário, depois faça o possível; de repente você perceberá que está realizando o impossível.  “ São Francisco de Assis

 

Na elaboração dos treinamentos o técnico deve ter como preocupação, promover a maior semelhança possível com as exigências de seu modelo de jogo e tendo com meta nas manifestações dos atletas, ações específicas de forma coordenada e sincronizada; lembra-se o que preconiza Amieiro - ( 2005 ) - “ Treinar é fabricar o que se pretende “, assim; deve-se desenhar a organização da equipe em um sistema de interação dos atletas para se adquirir uma identidade comportamental em todos os quatro momentos do jogo. 

 

 

Poder de Decisão do Técnico de Futebol

 Quem não joga para servir, não serve para jogar.

 

Dizem que o ( Técnico de Futebol ) é pago para decidir.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; decida no momento oportuno e assuma os resultados de suas decisões.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; decida, mesmo sabendo que todas as suas escolhas têm 50% de chances de dar certo, como as escolhas de todos os demais.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; comunique-se de modo a ser entendido e esteja atento aos seus atletas.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; use o poder pessoal e transforme tudo que precisa ser transformado.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; tenha sensor de humor e mostre desprendimento do poder de decisão.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; valorize e aceite seus atletas, apesar do bem e o mal estarem bem próximos.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; respeite seus atletas, mas exija e critique quando necessário.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; exteriorize suas convicções e siga em frente.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; trabalhe duro, para transpor os obstáculos que seguirão a sua frente.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; acredite sempre, em quaisquer circunstâncias, sob quaisquer aspectos.

Não esquecendo que muitas vezes você ganha, outras tantas você perde; tenha Deus no coração, através de atos, palavras e pensamentos.

 

 

Lei do Treinador de Futebol no Brasil
Lei  8.650 de 22 de Abril de 1993

 

Art. 1º – A associação desportiva ou clube de futebol é considerado empregador quando, mediante qualquer modalidade de remuneração, utiliza os serviços de Treinador Profissional de Futebol, na forma definida nesta Lei.
Art. 2º – O Treinador Profissional de Futebol é considerado empregado quando especificamente contratado por clube de futebol ou associação desportiva, com a finalidade de treinar atletas de futebol profissional ou amador, ministrando-lhes técnicas e regras de futebol, com o objetivo de assegurar-lhes conhecimentos táticos e técnicos suficientes para a prática desse esporte.
Art. 3º – O exercício da profissão de Treinador de Futebol ficará assegurado preferencialmente:
I – aos portadores de diploma expedido por Escolas de Educação Física ou entidades análogas, reconhecidas na forma da lei;
II – aos profissionais que, até a data do início da vigência desta Lei, hajam, comprovadamente, exercido cargos ou funções de treinador de futebol por prazo não inferior a seis meses, como empregado ou autônomo, em clubes ou associações filiadas às Ligas ou Federações, em todo o território nacional.
Art. 4º – São direitos do Treinador Profissional de Futebol:
I – ampla e total liberdade na orientação técnica e tática da equipe de futebol;
II – apoio e assistência moral e material assegurada pelo empregador, para que possa bem desempenhar suas atividades;
III – exigir do empregador o cumprimento das determinações dos órgãos desportivos atinentes ao futebol profissional.
Art. 5º – São deveres do Treinador Profissional de Futebol:
I – zelar pela disciplina dos atletas sob sua orientação, acatando e fazendo acatar as determinações dos órgãos técnicos do empregador;
II – manter o sigilo profissional.
Art. 6º – Na anotação do contrato de trabalho na Carteira Profissional deverá, obrigatoriamente, constar:
I – prazo de vigência, em nenhuma hipótese, poderá ser superior a dois anos;
II – o salário, as gratificações, os prêmios, as bonificações, o valor das luvas, caso ajustadas, bem como a forma, tempo e lugar de pagamento.
Parágrafo único – O contrato de trabalho será registrado, no prazo improrrogável de dez dias, no Conselho Regional de Desportos e na Federação ou Liga à qual o clube ou associação for filiado.
Art. 7º – Aplicam-se ao Treinador Profissional de Futebol as legislações do trabalho e da previdência social, ressalvadas as incompatibilidades com as disposições desta Lei.
Art. 8º – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 9º – Revogam-se as disposições em contrário.
Brasília, 22 de Abril de 1993; 172° da Independência e 105° da República.
Itamar Franco
 Walter Barelli

 

 

Propósito do Trabalho

 

˝    Quem tem a pretensão de ensinar, nunca deve deixar de apreender.   ˝

 

O propósito deste trabalho é dar maior base de sustentação a todos os profissionais do futebol; possibilitando assim uma maior clareza quanto aos momentos críticos dos treinamentos, bem como nas disputas desportivas, pois; do conhecimento ao coração, do sonho á realização, “ nada é tudo; tempo, espaço e condição impõem em alguma medida perspectivas, ângulos e filtros; o passado e o futuro só podem ser concebidos a partir do presente; o próximo e o distante só se definem a partir de um ponto determinado. “ .    

 

Sucesso em sua jornada

 

 

Lorival Santos - Técnico de Futebol
ABTF - 2393 - CREF   040167  -  ( G / SP. )
www.lorivalsantos.com
futebol@lorivalsantos.com



Lorival Santos © todos os direitos reservados